segunda-feira, 4 de março de 2013

Amor e outras drogas



Aviso meninas! A pessoa que escrevia textos para o blog, a Bell, não está escrevendo mais ): Porém não se preocupem, outra pessoa vai cuidar disso... A Dayanne! Espero que gostem dos textos, ela escreve muito bem.
-------------------------------------
Caímos juntos na grama verde do Central Parker. Estávamos exaustos, mas felizes. Pelo menos, eu estava. Tombei minha cabeça para o lado, para vê-la. Ainda não conseguia acreditar que pudesse existir alguém tão espontâneo, corajoso e atraente. E olha, que percebi isso em menos de um dia. Mas desde o momento que coloquei os olhos sobre ela, não conseguia parar de olhá-la. Será que é isso que chamam de “amor à primeira vista”?
Não sei.
Talvez possa ser, mas tenho certeza que os sintomas da primeira pessoa que sentiu isso eram exatamente os que eu estava sentindo naquele momento. Uma vontade incontrolável de toma-la em meus braços e nunca mais largar, de ficar olhando para ela todos os dias da minha vida, enquanto dormisse, enquanto sorrisse, enquanto estivesse quieta. 
Com certeza, eu estava apaixonado. Suspirei.
Vi seus lábios finos e rosados se curvarem num sorriso cansado e satisfeito, e não sei o que aconteceu comigo, mas meu coração estava em pulos. De novo.
- Você acreditaria se eu dissesse que estou apaixonado por você? 
Sussurrei na esperança de que os ruídos noturnos pudesse abafar minha voz. 
Mas ela sorriu ainda mais. Tinha ouvindo. Ela ficou em silêncio e eu também. Talvez tivessem se passados segundos, ou minutos. Eu não sei. Não prestava atenção em mais nada. Só a vi na minha frente.
- Acreditaria. 
Ela inclinou a cabeça para o lado também, cravando os olhos castanhos nos meus. 
Por um segundo quis congelar aquele momento.
- Eu acredito na vida – disse ela – E por assim ser, acredito que a vida é cheias de coisas boas e coisas ruins. E hoje quando acordei, tive a sensação de que seria o meu dia. O dia perfeito. Mas depois de sair de casa para uma entrevista de emprego, que eu queria muito, levar um não redondo e sonoro, tomar um banho de lama, quebrar meu salto, perder meu relógio, senti que estava enganada. 
Ela baixou os olhos para a grama, brincando com as folhinhas. 
Senti o impulso de chegar mais perto dela e abraça-la, mas me contive. 
- Mas sempre fui otimista, ou talvez sonhadora, pense como quiser. 
Ela riu; ainda não tinha me acostumado com a paz que aquele riso me trazia. 
- Quando eu vim para cá – disse apontando para o Parker – estava com a intenção de melhorar meu dia, mas aí, apareceu você e derramou sorvete na minha blusa favorita.
Ela me olhou de novo. Tinha uma espécie de mistura de sentimentos naquele olhar. Diversão, ternura, mistério...
- Desculpe. 
Senti-me vermelho. Sempre fui desastrado.
- Não desculpo. Sabe por quê? 
Abri a boca para falar, mas fechei logo. Fiz não com a cabeça.
- Lembra-se da sensação que meu dia seria perfeito? Que seria o meu dia? 
Assenti levemente.
- Pois é. Eu achei que estivesse errada, mas não. Meu dia pode ter começado ruim, porém, quando você me atingiu com aquela bola de sorvete, e me olhou de um modo tão doce, eu tive a sensação boa de novo.
Meu coração a essa altura já estava a toda velocidade. Não conseguia formular palavras. Eu só queria estar com ela. Pra sempre.
- Por isso que acredito no que disse. Já passei por muitas coisas ruins hoje, mas agora estou vivendo o melhor momento da minha vida. Estou amando também. Estou amando você.
Fiquei surpreso. E muito, muito feliz.
- Então você acredita em “amor à primeira vista” também?
Ela se aproximou de mim, e pousou a cabeça em meu peito. Como ela era doce. Tudo nela emanava um cheiro de ternura, de inocência. O perfume de shampoo de pêssego que vinha dos seus cabelos me deixou embriagado. 
Ela soltou o seu riso encantador.
- Como eu disse, eu acredito na vida. Eu acredito no amor. E eu acredito em nós. 
Passei o meu braço por sobre ela e juntos ficamos olhando o céu iluminado pelas luzes da noite. Fiquei imaginando a vida que, com toda certeza do mundo, passaria ao lado dela. E alguma coisa me dizia que estaria pensando o mesmo que eu.

Texto feito por: Dayanne Farias.  Facebook|Tumblr

0 Garotas de Vidro disseram ...:

Postar um comentário